Acho pouco provável passar incólume em Istambul sem morrer de amores pelos lenços. Primeiro porque boa parte da mulherada que anda pelas ruas, desfila uma coleção infindável com uma estampa mais linda que a outra. Eu como “maria vai com as outras” em algumas situações, logo quis ter o “meu lenço”. Mentira! Eu já tinha alguns, os quais usei e abusei um pouco antes mesmo de pisar em terras turcas.

Na minha segunda ida ao Grand Bazaar eu caí numa lojinha de cashemere que tem os lenços mais incríveis que eu já tinha visto até então. Os preços um pouco mais salgados do que tinha visto anteriormente, mas morri de amores por todos. Olhei um por um até o vendedor fechar a portinha da loja e negociar comigo a pilha que eu tinha separado. Saí de lá louca para usa-los, até descobrir que sou péssima em amarrações e nós (isso eu tive certeza ao fazer meu curso de escalada). Acabei gastando horas em blogs e vídeos de como dominar tal arte.

Hoje zapeando meus feeds, eu vi que a Hermés, que para mim tem os lenços mais lindos do planeta, lançou o app Silk Knots justamente para mostrar sua coleção e ensinar aos reles mortais como eu, a brilhar nas amarrações.

via

Não há curiosidade maior do que saber o que rola nos playlists dos nossos artistas favoritos, assim como suas referências quando não são tão evidentes. Thomas Bangalter e Guy-Manuel de Homem-Christo, a dupla por trás do Daft Punk, acaba de lançar 2 playlists, cada um assinado por um deles, no Spotify. Enquanto o Spotify não libera a plataforma por aqui (mas está quase), eu montei os playlists no Grooveshark, assim todo mundo pode ouvir.

As playlists estão bem ecléticas, contando até com Drake e Sky Ferreira.

Para quem tem Spotify:

Para quem não tem Spotify:

Daft Punk Guy-Manuel de Homem-Christo Playlist 

*faltou Casablanca by Raekwon

Daft Punk Thomas Bangalter Playlist

*Faltaram Real Thing by Phoenix, Amazon by UR e a versão de I Want You Back é A Cappella (aqui é a normal)

E a ansiedade toma conta do mundo com o novo álbum do Arcade Fire, Reflektor, ainda mais agora sabendo que é duplo. Abaixo a lista das músicas reveladas pela Amazon França:

Disco 1:

1. Reflektor
2. We exist
3. Flashbulb eyes
4. Here comes the night time
5. Normal person
6. You already know
7. Joan of arc

Disco : 2

1. Here comes the night time II
2. Awful sound (oh eurydice)
3. It’s never over (oh orpheus)
4. Porno
5. Afterlife
6. Supersymmetry

O duro vai ser esperar até 29 de Outubro, quando o álbum será lançado oficialmente. Sorte de quem já teve uma boa prévia no show que rolou em Montreal.

Aliás, quem ainda não viu o vídeo interativo que eles acabaram de lançar, vale a pena conferir no site.

Finalmente Mazzy Star volta à cena com novo álbum após 17 anos, quando lançou “Among my Swan“. Nada me encanta mais do que a voz doce da Hope Sandoval, que continua encantando em  “Season of Your Day”,  que será lançado na próxima semana mas já dá para ouvi-lo na íntegra aqui no NPR.

Acabaram também de tirar do forno o vídeo California para deleite daqueles, que como eu, andavam morrendo de saudades deles:

via

Demais esse vídeo 360º que fizeram no show do Disclosure, que rolou no Central Park em NY, em agosto. Eu fui no show deles no Way Out West, em agosto (pouco depois desse show de NY) e só falo uma coisa: o show é foda. Pode colocar aí na sua lista de “show que tenho que ver”. E se for, já começa a malhar, porque impossível parar de dançar. A foto acima eu tirei no meio do show deles.

Agora clica no play e se delicie, passe vontade ou mal (ficar rodopiando nem sempre faz bem):

via Spin (obrigada Jo pelo link)

Não é novo, todo mundo já ouviu, viu o vídeo, mas ainda assim vale o registro de Reflektor, do Arcade Fire, mas antes vou contar uma historinha.

Hoje eu me lembrei de quando ouvi falar sobre eles pela primeira vez. Era 2005. Eu estava no Curitiba Rock Festival com alguns amigos. Acabamos fazendo um trabalho com o The Raveonettes e ficamos relativamente próximos da banda durante o festival. Numa discussão sobre bandas que precisávamos conhecer, a Sharin Foo foi categórica: ouçam Arcade Fire e, se puderem, assistam ao show, pois é a melhor coisa que vi nos últimos tempos. Depois de ouvir a loira fatal que esbanja bom gosto por todos os lados, não dava para não ir atrás.

Na época o Arcade Fire tinha apenas 2 anos de vida e o álbum Funeral no currículo. Nada me bateu sonoramente na época como ouvir Funeral. Fiquei dias ouvindo e ouvindo exaustivamente o álbum, pois até então eu tinha ouvido algumas músicas soltas da banda, mas sem prestar muita atenção. Para mim soou como obra-prima e o álbum me emociona até hoje.

A banda já estava despontando na época, mas sei lá porque raios eu ainda não tinha dado a atenção devida. Por sorte, o Arcade Fire se apresentaria dois meses depois no finado Tim Festival (que saudades), no Rio, em São Paulo e Porto Alegre. Pronto, expectativa no céu. Infelizmente a qualidade do som em São Paulo com a parte do público no maior tricô, sem sequer prestar atenção no show, (na época quem brilhava eram os Strokes), atrapalhou bastante minha primeira experiência com eles.

Em 2010 veio o The Suburbs e a banda foi escalada para tocar no Lollapalooza (2010), em Chicago (que na época teve Black Keys, que ainda despontava, no line-up). Convenci o Ola a irmos pra lá, assim também comemoraríamos nosso aniversário de namoro, que coincidia com a época do festival.  O Arcade Fire foi o headliner encerrando o festival no domingo num show épico, com direito a dedicatória de Crown of Love, para o The National, que tinham acabado de tocar no outro palco. Como sou chorona, chorei do começo ao fim, mas encerrar a noite com Wake Up foi um golpe baixo e achei que meu coração não ia dar conta de tamanha emoção. O show inteiro foi lindo e tudo contribuiu para que fosse especial: estava super bem acompanhada, tinha tido um final de semana incrível, estava numa cidade incrível e com um skyline incrível atrás do palco com uma banda incrível nela e ainda conseguimos ficar bem pertinho do palco. Até me arrepia só de lembrar. A gente assiste a tantos shows, que nem todos estão vivos na memória, mas esse roda na minha como se fosse um slideshow.

Desde então fiquei naquela saudade quase aguda de vê-los ao vivo novamente, mas ainda não rolou. E tudo isso veio à tona, porque com lançamento de novo álbum, há mais chances de vê-los ao vivo. Agora é ficar na torcida e de olho, afinal a informação já está no site deles sobre a turnê que vem por aí, tanto que já gastei meus dinheiros comprando o álbum, que garante vendas especiais para os próximos shows.

E claro, pra fechar o post, nada menos que o vídeo de Reflektor, single do álbum que sai em 29 de Outubro.

**Quinta-feira eu toco com o Ola na Casa 92, na festa Make Me Up, e Reflektor vai ser a música que abrirá nosso set. :)